segunda-feira, 11 de setembro de 2017
Estudantes e profissionais de Psicologia ouvem demandas de indígenas de Mato Grosso I Seminário de Psicologia e Povos Indígenas de Mato Grosso foi realizado na UFMT em parceria com CRP
As formas de atuação da psicologia foram debatidas por lideranças indígenas e pesquisadores indígenas no seminário realizado pelo Laboratório de Comunicação, Ciência e Tecnologia (Labtecc), da Universidade Federal de Mato Grosso, em conjunto com o Conselho Regional de Psicologia (CRP 18-MT), esta semana, em Cuiabá.
 
Na plateia, ouvidos atentos de estudantes e profissionais de Psicologia imbuídos do propósito de iniciar um movimento para que as teorias na área e a atuação avancem para o estágio em que a Psicologia seja feita pelos indígenas, que eles sejam os protagonistas. As mesas e atividades do seminário foram conduzidas pelos representantes indígenas.
 
“O que observamos a partir do levantamento das pesquisas e das práticas é que o que vem sendo produzido é uma Psicologia para os povos indígenas e não Psicologia pelos povos indígenas. O convite do CRP é para uma análise, estudo e proposta sobre como pode ser construída uma Psicologia junto com os povos indígenas e isso ser efetivado em ações futura do Conselho”, afirmou a presidente do CRP 18-MT, Morgana Moura.
 
A demanda por saúde mental dos povos indígenas existe e é evidente, mas a Psicologia ainda não consegue chegar até lá. Esta avaliação é da liderança indígena Soilo Urupe Chuê, 33 anos, da etnia Chiquitano, na Terra Indígena Vila Nova Barbecho, em Porto Esperidião. Ele foi o mediador da discussão onde foi apresentada a grave situação pela qual o povo Chiquitano passa por encontrar dificuldades de acesso à matéria-prima essencial para manutenção da cultura desses indígenas: o barro. O material é usado pelas mulheres para confecção de artefatos domésticos e artesanato de grande importância cultural para a comunidade, mas o local onde o barro é coletado ficou de fora dos limites da terra demarcada para o povo Chiquitano.  
 
A situação pela qual os Chiquitanos passam é um exemplo de como o contexto em torno dos povos indígenas afeta a condição de saúde mental. “O contexto de conflito agrário, de falta de demarcação de territórios tradicionalmente ocupados, a falta de recursos naturais em decorrência da devastação ambiental são causas de extremo sofrimento para os povos indígenas. Não basta o diagnóstico da doença, tem que haver um entendimento do contexto da vida do indígena”, analisou Soilo.
 
O psicólogo Thiago Kapovi, indígena Kurâ-Bakairi, é o primeiro psicólogo indígena registrado Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso. Ele concorda com a necessidade de entendimento do contexto da vida dos povos indígenas.  “Saúde mental em contexto indígena é diferente. Cultura, dança, rituais e o modo de viver devem ser levados em consideração na atuação da psicologia”, afirma o psicólogo que atualmente trabalha na escola da aldeia Pakuera, em Paranatinga. “O profissional tem que interagir com a comunidade e participar da vida social. Tem que conviver e não viver entre”, conclui Kapovi.
 
“Quando retomamos historicamente as práticas da Psicologia, ela é colonial, a partir de uma epistemologia europeia. Se pensarmos na história da Psicologia e seu processo medicalizante e patologizante, a gente avalia que tem dívida história com esses povos e é essa dívida que estamos tentando sanar”, ponderou a presidente do CRP de Mato Grosso.
 
Fonte: Pau e Prosa Comunicação
Foto: Gilson Costa 
 


Outras Notícias

23/05/2018 Feriado Corpus Christi O Conselho Regional de Psicologia de Mato Grosso (CRP 18ª Região) comunica ao público que em razão do feriado nacional de Corpus Christi, não haverá expediente no dia 31 de maio (quinta-feira) e no dia 1º de junho (sexta-feira). [leia +]